Sonntag, 13. Mai 2012

Campeonato baiano



Eu tenho um certo ritual quando escrevo aqui no blog. Abro minha página, vou lá nos blogs que eu acompanho e dou uma olhada no que meus amigos e blogueiros favoritos andaram postando durante a semana e depois parto pro meu texto. Dessa vez uma coisa interessante aconteceu. Ao ler o blog de minha querida amiga Paola, vi exatamente o que eu estava sentindo ali prontinho em forma de post, portanto transcrevo aqui o texto dela que me emocionou: 

Clássicos

Se há algo que sempre me emociona são os clássicos. E não falo dos filmes clássicos, falo dos jogos dos campeonatos estaduais. Sendo da Bahia, falo, com mais propriedade do clássico, Ba x Vi. Eu que não assisto aos jogos, que não torço por time algum, que sequer tenho idéia da chamada tabela, quem sobe e quem desce. Eu, que vejo tudo de fora, me emociono. A concentração dos torcedores que emudece a cidade, seguida do som ocasional de fogos de artifícios e, finalmente, a explosão, de gritos, buzinas, fogos, alegria. Ouvir uma rua inteira gritar goooolllll, ou ver os profissionais, como seguranças, manobristas, caixas de supermercados, enfim, todos aqueles que estão na rua, não tem Tv e não podem acompanhar o clássico, grudados no radinho, vibrando a cada lance e explodindo em uníssono num gol...é, no mínimo, efusiante. O que me emociona não é o jogo, é a energia que as pessoas colocam nele. É o amor, gritado, sem a menor vergonha, das janelas dos edifícios, é a declaração explícita de amor que me encanta. E são homens e mulheres que observam, emudecem, gritam, choram, vibram, juntos. É esse amor histérico que me faz as lágrimas escorrerem. É realmente como ver um filme clássico de romance, onde, no final, o difícil mesmo é conter as lágrimas.


Lindo né? Foi meio triste ver a cara de decepção de minha mainha no dia das mães, mas também, quem manda ela ser Rubro- Negra?

Valeu Baêa!!!! 
 
Esquadrão tricolor, Campeão Baiano 2012